Quarta, 19 de Junho de 2024
83 998222992
Anúncio
Brasil BARBÁRIE

Menina encontrada morta em lixeira levou 35 facadas; preso em flagrante confessou o crime, diz delegado

Pedreiro Edilson Amorim dos Santos Filho foi preso pelos crimes de estupro de vulnerável, homicídio e ocultação de cadáver. Sophia, de 11 anos, foi golpeada na nuca, no peito, nas pernas e nas costas.

30/05/2024 00h36 Atualizada há 3 semanas
Por: Mídia Paraíba Fonte: Por Rafael Nascimento, g1 Rio/MÍDIA PARAÍBA
Menina encontrada morta em lixeira levou 35 facadas; preso em flagrante confessou o crime, diz delegado

O pedreiro Edilson Amorim dos Santos Filho, de 47 anos, preso pela morte da menina Sophia Ângelo Veloso da Silva, de 11 anos, confessou o crime, segundo o delegado Felipe Santoro, titular da 37ª DP (Ilha do Governador). Ele foi preso em flagrante por estupro de vulnerável, homicídio e ocultação de cadáver.

Paulo Sérgio da Silva, pai de Sophia Ângelo Veloso da Silva — Foto: Rafael Nascimento/ g1

Paulo Sérgio da Silva, pai de Sophia Ângelo Veloso da Silva — Foto: Rafael Nascimento /g1

Ainda de acordo com os agentes, ele agiu com "extrema agressividade e crueldade". A criança levou, pelo menos, 35 facadas: na nuca, no peito, nas pernas e nas costas.

O corpo de Sophia foi encontrado em uma caçamba de lixo na Ilha do Governador na terça-feira (28). Edilson é irmão da ex-madrasta de Sophia.

“Ele demonstrou extrema crueldade e agressividade ao desferir , aproximadamente, 35 golpes de facas contra a criança. Após o crime, ele planejou como ocultaria o corpo e decidiu dispensá-lo em uma caçamba de lixo para garantir sua impunidade pelos crimes, já que o lixo daquela caçamba seria triturado na usina do Caju e seria muito difícil a localização do corpo”, disse o delegado Felipe Santoro.

O delegado aguarda os laudos finais da perícia para saber alguns detalhes.

Os parentes de Sophia, que havia desaparecido na última segunda-feira (27) e foi encontrada morta na tarde desta terça (28), dentro de uma caçamba de lixo, na Ilha do Governador, foram ao Instituto Médico Legal (IML) do Centro do Rio. Eles cuidam dos trâmites para a liberação do corpo.

“Tá dolorido, estou destruído. Ele não merecida estar aqui pelo que ele fez com a minha filha. Ele não merece perdão. Todo mundo amava a minha filha. Ele arrancou uma parte de mim. É um buraco que ficou no meu peito que vai demorar para ser tampado, se é que será tampado”, afirmou Paulo Sérgio da Silva, pai da menina.
Sophia Ângelo Veloso da Silva, de 11 anos — Foto: Reprodução

Sophia Ângelo Veloso da Silva, de 11 anos — Foto: Reprodução

.

No final da tarde desta terça, sob protestos e xingamentos, Edilson deixou a delegacia em um veículo blindado (veja vídeo). Revoltados, moradores tentaram linchá-lo. Ele deixou a 37ª DP pouco depois das 17h30 e passou a noite na Polinter, na Cidade da Polícia.

 

Preso por morte de menina deixa a delegacia em blindado

Segundo o delegado Santoro, o corpo de Sophia estava enrolado em uma lona, com as mãos e os pés amarrados com fios e várias lesões pelo corpo.

Ainda segundo a polícia, após matar a menina, o homem amarrou suas mãos e os braços com fios elétricos e enrolou o corpo em uma lona e depois, usando um carrinho de mão, colocou o corpo na caçamba de lixo.

Família de Sophia esteve no IML na manhã desta quarta-feira (29) — Foto: Rafael Nascimento/ g1

Família de Sophia esteve no IML na manhã desta quarta-feira (29) — Foto: Rafael Nascimento/ g1

O caso

Sophia Ângelo saiu de casa por volta das 7h de segunda e, desde então, não tinha mais sido vista. Horas após o desaparecimento, os pais da menina conseguiram imagens dela ao lado de Edilson.

Na casa dele, durante uma perícia, os agentes encontraram um short utilizado pela menina no dia do desaparecimento. Além de uma faca e uma chave de fenda torta. A ferramenta, que estava escondida, tinha sinais de sangue. O material será periciado.

Sophia Ângelo Veloso da Silva, de 11 anos — Foto: Reprodução

Sophia Ângelo Veloso da Silva, de 11 anos —Foto: Reprodução

Os peritos também encontraram vestígios de sangue no banheiro. Apesar de o cômodo ter sido recentemente lavado, o uso da substância luminol conseguiu identificar resquícios de sangue.

Quando a menina sumiu, ela estava a caminho da Escola Municipal Belmiro Medeiros, no bairro Moneró, a 20 minutos a pé de sua casa.

Polícia apreende faca na casa de suspeito de matar menina de 11 anos no Rio — Foto: Reprodução

Polícia apreende faca na casa de suspeito de matar menina de 11 anos no Rio — Foto: Reprodução

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias